No México: Não se Mata a Verdade Assassinando Jornalistas

Numa época em que tudo se relativiza e se comercializa – e, portanto, tudo é “jornalismo”; tudo é “content” – favorecendo a detioração da percepção da realidade, dos factos e da  exigência – confundida, convenientemente, com “elitismo” -: apetece subir, trazer cá para baixo  e mostrar. “No se mata la verdad matando periodistas“, cujo imprescindível documentário se encontra por cima deste apontamento, é o título de uma iniciativa em que 126 jornalistas contam a história de outros tantos. Dados como “desaparecidos” ou que morreram nos últimos doze anos. Na guerra, iniciada no ano de 2006, entre o governo e o carteis da droga mexicanos. O projecto é da Nuestra Aparente Rendicion (NAR). Organização civil destinada a despertar consciências relativamente a vítimas e respectivos familiares. Foi concebido para ser acedido através do sitio oficial. Transformou-se, rapidamente, num projecto maior. “Transcendendo o virtual”. Convertendo-se, também, em livro. “Para que chegasse ao maior número possível de mãos e olhos”. “Para que servisse de testemunho material”.

Pormenores no artigo, do Editors Weblog,  “Mexican Journalists Strive to Keep the Truth Alive With Book About Vanished Colleagues“. Redigido por Emma Knight.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: