Tag Archives: escrita

Rebelião

Nestes tempos de populistas, de partidos de extrema direita a subirem nas sondagens: podemos sempre contar com escritores e com todo o género de artistas. É debaixo da opressão – e contra a submissão – que surgem as melhores obras e as melhores ideias. Prosadores, poetas, músicos, cineastas, actores: elevai-vos, pois.


A Divina Velocidade

“O tempo é o diabo mas a velocidade é divina”: é este um dos slogans principais de “Sillicon Valley”. E eu diria que resume tudo. Tudo o que é religião actual: a rapidez. Esqueçam o cristianismo, o islamismo, o judaísmo, o budismo e todas as outras. Os senhores da computação são os novos sacerdotes e o que dizem são mandamentos escritos não em pedra mas, sim, num I-Pad. E nós, humildes súbditos, dizemos Amen a todo o tipo de tecnologia que nos traga “conteúdos” cada vez mais instãntaneos. Para que possamos tapar os buracos vazios de um mundo interior que se tornou – e, com a falta de “silêncio”, se vai tornar – cada vez mais complexo. Esqueçam os padres. Redes sociais, jogos de computador, realidade aumentada e a realidade virtual serão as novas hóstias. A nossa sociedade tornou-se voraz e sem espaço para descanso. Tudo se transforma numa chamada colectiva pela atenção. Seja de uma grande empresa ou de um simples cidadão. “Olhem! Reparem! Estou aqui ! Cada vez mais veloz na minha postagem de informação! Também quero ser uma estrela !”. Coitado: mal sabe ele que o mundo se fragmentou em milhares de milhões como ele e, por isso mesmo, os famosos diminuiram de estatuto.

Há, por causa do que acabaram de ler, uma necessidade de se escreverem mais artigos sobre tecnologia para que possamos organizar o mundo de forma mais “compacta”. Precisamos de saber e de perceber o que se está a passar. Mas cuidado com quem escreve. Muitos não passam de gurus da tecnologia cujo primeiro desejo é o da fusão entre o homem e a máquina: a chamada “Singularidade”- algo que Noam Chomsky chama, e no meu entender muito bem, de “ficção ciêntifica”. Em primeiro lugar temos que saber quem estamos a estudar. O bombardeamento de desinformação é de tal maneira grandioso que faz com que desconfiemos dos jornais e, principalmente, dos sites noticiosos. Sim, é certo que as novas tecnologias nos proporcionam novas formas de expressão mas como diz Ignacio Ramonet, ex- director do jornal Le Monde Diplomatique na sua versão francesa, “o problema de do nosso tempo não é a falta de notícias. O problema agora é encontrar aquelas que são fidedignas”.

As redes sociais, por seu lado, vieram dar cabo da leitura de blogues. Que convidavam mais à reflexão através dos seus textos longos e bem pensados. Naquelas tudo é fast food. Nestes estava o verdadeiro e agora utópico espírito da internet através de inúmeros artigos, por vezes, de altissima qualidade escritos por internautas que poderiam, se pudessem, ser verdadeiros comentadores, cronistas ou jornalistas. Já no Facebook impera a barbárie, a confusão, o barulho de postagens mal escritas de quase nulo valor. Para além do facto de se comentarem artigos que não se lêem. Predomina a gritaria. Num estudo feito há meia dúzia de anos provou-se, ainda, que uma grande maioria das pessoas não passam, em termos de leitura, da terceira linha nos artigos clicados.

Recentemente o jornal do Perú intitulado El Comércio conduziu uma entrevista a Martin Rodriguez Gaona que escreveu um livro premiado que se chama “La Lira de las Masas” que reflecte sobre um fenómeno muito particular relativo à poesia em Espanha. Segundo o autor dá-se mais importãncia à espectacularidade do que à profundidade do género em questão. O esquema é simples: os cibernautas põem poemas em redes sociais como o Instagram e consoante os “gostos” que obtêm são convidados pelas editoras para publicarem livros, vendendo-os aos milhares. O que passa a importar não é a qualidade e a profundidade do que é escrito e apenas a popularidade. Tudo num regime de velocidade acelerada. Reflete o autor “Se uma rapariga bonita com uma foto provocante tem 150 mil “gostos” numa postagem e uma conta na rede social com meio milhão de seguidores sabes que com ela vais vender livros. As editoras passaram a ser meras comerciantes. Perdeu-se a reflexão, a escrita pausada e pensada. Os bons poetas não só são minoritários como também se sentem defraudados porque não têm nenhum tipo de retribuição. Nem simbólica nem material.”

Segundo um artigo do jornal Público publicado a 23 de Junho deste ano, foi inventado “um algoritmo que ajuda a completar romances, receitas e até poemas”. Qual é o objectivo disto? Ajudar pessoas com falta de inspiração. Ora: não há melhor exemplo para a sociedade da rapidez. Desta forma, ninguém tem que lidar com o tédio que os bloqueios criativos impõem nem com a espera necessária para que a inspiração humana surja. Mas afinal qual é a utilidade disto? Para que queremos nós ler o que a Inteligência Artificial escreve? O modelo chama-se GPT-2 e foi alvo de controvérsia no início do ano por ter construído notícias literalmente a partir do zero. Onde pára, então, a humanidade quando aquilo que interessa é que a “velocidade é divina”?

Toda esta rapidez ajuda, adicionalmente, a alimentar o populismo político e a extrema direita. Num mundo em que só se lêem “as gordas” e onde imperam as tão badaladas fake news tudo se pode esperar. As pessoas navegam apressadamente através de um twitter ou de um facebook na demanda de gostos publicando aquilo que parece mais sórdido e mais escandaloso. E os jornais, para não perderem o comboio, seguem pela mesma linha férrea.

Ray Kurzweil,  futurologista em termos de Inteligência artificial e inventor, disse, num documentário, que dentro de mais ou menos dentro de duas décadas a informação andará a uma velocidade tal que teremos que ligar os nossos cérebros uns aos outros para percebermos o que se está a passar. Esta personagem recebe palmas por todos aqueles que acham que o cérebro funciona como um computador. Há que lembrar que também pretende rescuscitar o pai – não se sabe como -, que deseja viver até aos 150 anos – alimenta-se à base de dezenas de pastilhas por dia – e que passeia pela praia para “tentar ver robots gigantes a comer estrelas”, porque são fonte de energia, a olho nu. É alguém que, apesar de decididamente hilariante e delirante, atrai muitos seguidores. Mesmo que muitos neurologistas e psicanalistas lhe digam que não percebe  nada do funcionamento do cérebro e da sua complexidade. Um computador não tem nada a ver com sinapses nem neurónios. Ponto final. E também não se entende como é que vai ser possível ligar os cérebros sem um colapso geral. É que já bastam os nossos problemas interiores. Quanto mais aturar os dos outros. Contudo: acerta numa coisa. A velocidade a que a informação vai girar. Falei, no artigo anterior, da Lei de Moore: a tecnologia duplica de potência de dois em dois anos e a chamada disrupção tecnológica e, por isso, social acontecerá cada vez mais com mais força e rapidez. E, nisso, tem razão: vai ser muito difícil percebermos o que estará a acontecer.Se é que já não percebemos.

O que interessa perceber passa ao largo de muita gente. Os Mão Morta, grupo musical bracarense, não podia estar tão avançado e tão certo em 1997, quando lançou o álbum “Há já muito tempo que nesta latrina o ar se tornou irrespirável”, com o tema “Aldeia Global” em que o refrão era o seguinte:”É a Aldeia Global: explicam num júbilo imbecil, prontos a destilarem um rosário das maravilhas dos novos tempos, sem discernirem que “aldeia” sempre foi sinónimo de isolamento e conformismo,de mesquinhez, aborrecimento e mexericos e de que qualquer modo o que verdadeiramente importa se mantém secreto. O que importa é saber onde raio se encontra o poder!

Com a era da desinformação – e, por causa dela, da confusão mental – os psicoterapeutas esfregarão as mãos pelos seus aumentos de poder. Vaticina-se toda uma panóplia de distúrbios psicológicos. Muitas pessoas terão que se dirigir a consultórios de psicoterapeutas para aprenderem a lidar – se lidarem – com a multiplicação tecnológica que surgirá nas próximas décadas e a alienação que se poderá produzir a partir daí.

Eis, então, a minha música, a minha poesia, o meu antidoto e, também, um pouco do meu veneno: do que precisamos, portanto? De menos leitura mas com mais qualidade. De um serviço educativo que impulsione os jovens a olharem a sociedade em que estamos a entrar de soslaio, com distância e desconfiança. Para nos podermos defender dos propagandistas do MIT e de outras conveniências culturais e económicas actuais. Precisamos, para isso, de tempo. De encontrar espaços de silêncio. Para que se possa, também, escrever demoradamente. Lareira – se estivermos no inverno -, um livro e um bom copo de vinho. Parar. Andamos demasiado fascinados com o futuro. E, por isso, demasiado obcecados connosco próprios. Regressemos, portanto, à filosofia.


A Tirania da Objectividade

Existem determinados momentos em que parece que nada nos vai sair de uma esferográfica. Agora cada vez mais: do teclado de um computador. De uma velha máquina de escrever? Lemos e relemos, livros, crónicas e artigos de opinião, para que nos surja, condensado, algo de válido. Que nos faça merecer o olhar de, pelo menos, um leitor. Como se nos encontrássemos mais ou menos acorrentados a uma espécie de “paternidade”: os ditos, os escritos e as demais produções alheias. Se formos suficientemente exigentes – e sangrentos – connosco: o tédio, como o desprazer, torna-se inevitável. E é exactamente neste ponto – um momento de silêncio – que teremos de saltar. De um lado, do abismo, para o outro. Ali: onde começam as “dores de parto”. Encontramo-nos numa encruzilhada. Que caminho seguir para não nos estilhaçarmos em cacos de vidro? É isto o que significa e o que representa a escrita. A procura e a descoberta de, sempre novos e intermináveis, pontos de fuga. Tentarmos esburacar uma firme parede de granito que não quer ser quebrada. Mas que, simultaneamente, não admite contemplações na destruição das sucessivas camadas de uma realidade interna. “A casca da cebola?”. Prosseguimos, em seguida, com vista a uma reelaboração. Mas ainda há quem nos exija “objectividade”. Objectividade? Quando é, precisamente, a subjectividade que nos coloca onde mais importa: cosmos interior. Ninguém necessita, exactamente, de conceber aquilo que criamos. Ou, para o fazer, que moldes utilizamos. Que propósito temos. Tudo isto é pedir demais. A cada um: o seu mistério. Que leiam duas, três, quatro vezes.


A Importância da Interpretação e do Contexto no Jornalismo Cultural

Uma das capacidades que mais admiro, nos outros, em época de “postagens”: a de se tentar escrever bem. Para que eu próprio possa ousar, experimentando, evoluir. Contudo: também, simplesmente, a de se tentar escrever. Evitando o texto curto: uma das “doenças” deste século, devido ao excesso, à qual também não escapo de vez em quando. Trata-se de uma luta cultural e civilizacional. De um problema de contaminação habilitado por uma teimosia constante e habitual: a “eficiência” tecno-económica. Dou como exemplo contrário: a aptidão para se pegar numa só foto, como fez Roland Barthes, e de a conseguir dissecar. Como, aliás, o autor o relatou através do livro “A Câmara Clara” que foi editado no ano de 1980. Não constitui tarefa fácil. Passa-se o mesmo relativamente ao cinema: assistirmos a um filme, em sala – para o sentirmos melhor -, e, depois de o deixarmos cerca de uma semana em “pousio” – interior -, a “marinar” e a amadurecer, convertê-lo num texto que caiba, ainda , em página inteira. Como continua a fazer, para nos referirmos apenas ao território nacional, o semanário Expresso pelo menos de vez em quando. Como deixou o diário Público de os disponibilizar há já algum tempo devido a inúmeros factores – e, aqui, a falta de espaço não é dos menores -. Reduzindo, desta forma, a interpretação e o contexto histórico- cinematográfico a umas magras colunas que, apesar de regularmente bem escritas, têm, agora, de se fazer valer através de um estilo mais condensado. Tenho pena. Costumava ser um hávido consumidor de artigos jornalisticos que lhe eram relativos. As interpretações sempre me fascinaram. Por muito distantes, em termos de imaginário simbólico e linguístico, que se encontrem umas das outras. Nisto: o já falecido João Bénard da Costa era rei. Escrevia, sobre filmes, como se pintasse uma tela. Davam-lhe espaço para o fazer. E o sentido, a procura de um sentido que Bénard parecia exigir extrair através do uso de uma palavra quase musicada, só poderia ser conduzido dessa forma. Não interessa, para esta crónica, se existem blogues mais ou menos especializados e direccionados para o tema com textos de igual ou de superior qualidade. A imprensa generalista, com todos os seus suplementos culturais, continua a  representar um outro papel social. Não deveria, por isso, continuar a ser desprezada, como o é actualmente, por constituir uma espécie de aparência, física, real ou imaginária – sublinhando: muitas vezes imaginária; a democracia igualitarista precisa de “inimigos” – aos olhos dos cidadãos de poder e de “controle”. Pura e simplesmente porque, no que respeita à comunicação, quase tudo representa luta, poder e combate cultural. Tentação que, obviamente, não escapa aos inúmeros tweets, blogues e start-ups de cariz informativo – e desinformativo – que são criados diáriamente. A “sociedade reticular”, neste aspecto, aumentou a competição mas, adicionalmente, o nível de paranóia social relativamente ao que é dito e ao que é escrito: pelo outro. A imprensa generalista, nas mãos certas, continua a ser necessária. Apesar de todos os problemas que tem enfrentado em termos económicos e sociais para que nos possa continuar a indicar caminhos de reflexão comuns. Continua a constituir um ponto de encontro necessário que une e concentra visões, um pouco mais gerais, da realidade. Evita o estilhaçamento de vontades comunicativas sem, contudo, acabar com elas. Impede, um pouco, um género de “autismo” muito contemporâneo: o isolamento social favorecido pela tendência para a “personalização” de “conteúdos”. Alguns, nesta fase em que quase tudo parece significar “elitismo”, teriam a tentação de apelidar esta posição que defendo como “tendência para o controle”. Existe, contudo, uma outra que vai para além desta generalização: uma ultra- valorização do individual em detrimento daquilo que se teima em apelidar, estigmatizando, de “jornalismo tradicional”. Como se este último precisasse de desaparecer em nome dos múltiplos interesses da filosofia concentracionária da oligarquia digital. É jornalismo a tentar ser o que sempre foi: ponto final. Esta posição bastante radical tem incentivado – e criado – o empolamento, não apenas do que se convencionou chamar  de “jornalismo- cidadão” – que pode ser também uma forma de exploração -, do “narcisismo- cidadão”: em direcção ao selfie, ao império da velocidade, da facilidade e da quantidade. Em última análise e em termos gerais: à falta de qualidade informativa, jornalistica e literária. Interessa dar voz à “maioria” em nome de um precário comércio digital. Contudo: somos, agora, mais prisioneiros das estatísticas. Mais escravos das “citações” para nos tornarmos visiveis em motores de busca. Do número de visitas por página. Para tal acontecer: a “classe média informativa” transmutou-se numa espécie de obstáculo a eliminar. As perguntas que mais interessam, sobre o poder, deixam, por isso, de se fazer com a mesma insistência e pormenor. Muito nos começa a passar ao lado. Deveria, por estas razões, continuar a existir um espaço para todos. A análise e a crítica, exigente e profissional, têm sido desvalorizadas por vivermos e defendermos, actualmente, um ecossistema económico- digital “infestado” por “comentários”, “comentadores” e todo um conjunto de ansiosos por veículos publicitários como são as conferências TED Talk. Tentando-se degradar, para que tal seja possível, o que aparenta vir de cima. Mudanças sociais que se tornam insuficientes para uma conveniente – ou inconveniente – compreensão histórica, artística, literária, jornalistica, musical e cinematográfica. Novamente no que se refere a esta última área – poderia utilizar outras para servirem de exemplos mas parece-me suficiente nomear, pelo menos para já, apenas uma – : navegamos, hoje em dia, sofregamente por sítios infestados de cartazes com filmes principalmente americanos: os de terror, as comédias românticas e os filmes de acção. O trio “paralítico” habitual que, grande parte das vezes, é-nos oferecido como se fosse uma espécie de pronto-a-comer sem qualquer descrição, com qualidade, que nos permita situar a obra de uma forma política, social e, por isso, temporal. Um ciclo vicioso que tem favorecido o parco interesse dado ao argumento e à realização – à autoria e ao nome do realizador – por parte de um género de consumidor, de tipo novo e coleccionista, que, acantonado no seu “nicho”, se tem habituado, progressivamente, a uma procura preguiçosa, pouco informada, fragmentada e desconexa: “vê-se o primeiro que aparecer”. Tanto nas salas que ainda resistem em centros comerciais como nos diversos sítios que proliferam pela internet. É a cara, a pose dos actores e a capa mais “atractiva” aquilo que parece interessar cada vez mais. A história do cinema como, aliás, quase toda a história, parece, actualmente, ser pouco necessária à cultura popular. “Formatar o sistema !”: repete-se, por aí, relativamente a quase tudo o que seja manifestação cultural. Mas a presente “revolução”, mais do que “digital”, é social: trata-se da construção de um estado – de um estado, semi- amnésico, de pensamento – que se deseja alheio ao “exterior” e também àquilo que lhe é “anterior”. A “mudança de paradigma”: um rompimento que, embora seja necessário em determinados aspectos, parece querer evitar, em larga escala e apesar de toda a informação e literatura, dispersa e digitalizada, um significado e o passado. É apenas uma da contradicções do presente. Continuamos, contudo, a precisar de jornais. As assinaturas nunca foram tão baratas. Entraram em espírito low- cost.


O Enigma de Bartleby

Bartleby não aspira, nem de longe nem de perto, a uma simples renúncia “ética”. Esta não passaria de máscara se, de qualquer forma, não representasse uma máscara importante. Essencial: por viver de um peso, acerca do qual, não costuma, nem deseja, ter qualquer tipo de conhecimento. Isso implicaria aquilo que mais teme: um reconhecimento. Não falamos aqui, unicamente, de um certo “temor” que faz parte do passado. Do medo absurdo e contemporâneo de tudo aquilo que foi escrito anteriormente. Batleby teme, principalmente, a dor. A dor de ser, afinal, tipicamente humano. Tão humano – tão pouco robot e tão ultrapassável – como todos os antepassados. Quando pega na “pena”, numa caneta ou num amaciador teclado: ele sabe que elevará as plantas carnívoras. As dele próprio. Mas, como projecção e consequência, lembrará isso ao “resto” da humanidade. É, exactamente neste momento, que começa a esfriar. Mais concrectamente: que “finge” esfriar sem, contudo, o desejar. Neste ponto recomeça a “fugir”. Ao mesmo tempo que se auto- designa, por exemplo, como “liberal”. Reiniciando, novamente e contra a própria vontade, uma auto- tortura: um eterno passeio, pelo mesmo círculo, com os dentes semi- cerrados. Ele sabe que a mão, através da escrita, procurará e levantará as emoções mais fortes. Assim como as mais temíveis. Mas, por isso mesmo, encontrará também as mais adocicadas. Bartleby é, no fundo, um “duro”: porque foge do amor. É um “duro”, afinal, para que possa fugir do amor. Inventa, por esta razão, novos “paradigmas”. “Formata o sistema” para não se lembrar e “formata o sistema”, uma e outra vez, para não se sentir. “Não faltava mais nada”: ligações, ardor, arrependimentos. Tudo o que valeria a pena? Muito se poderia escrever sobre o coração de granito que “resolveu” construir. Ele sabe, de qualquer forma, que esta paralisia momentânea terá que ser quebrada. Para que possa reencontrar uma mais “antiga” – ofegante no meio dos escombros – sabedoria. Bartleby, para já – porque é um “duro” -, não sabe mais, furando o papel, do que escrever em rascunho. Escrever a vermelho com poucas linhas. O oposto devolver-lhe-ía a imaginação. Mas mostrar-lhe-ía, simultãneamente, ilusões desfeitas e ilhas perdidas. Sente que a “ignorância” a que se resolveu condenar – um tapume ! – lhe trará descanso e alguma “salvação”. Ele terá, contudo, que olhar para trás: abrir os olhos semi- cerrados e enfrentar tudo aquilo que perdeu. Não sejamos, contudo, castradores para com Bartleby como ele é para si próprio. Se escreve a vermelho e com poucas linhas é porque tem uma intenção. Teme odiar-se. Com medo daquela expressão, como ridículo que é, que também ele considera ser, por contaminação, a mais ridícula: Bartleby tem medo de voltar a amar. “O quê?”. Bartleby teria medo de escrever a linha anterior. “Não ! Não ! É pura ética ! Ética pura!”. Deixemo-lo, durante algum tempo, respirar. O cérebro afirma que não. Mas o coração, depois do granito ter sido quebrado, baterá novamente. Será pelo menos, a partir desse momento, meio adepto do sim. E, depois de ter coragem para chorar, adoptará totalmente o sim. A caneta, nesse momento, estará pronta.


O Confronto de Bartleby Com o Planeta Terra

“Já tudo foi escrito”: afirmou Bartleby. Essa espécie de homem que não pára de andar em circulos, com os dentes semi- cerrados, sem chegar, efectivamente, a lado nenhum. Como se, realmente, o desejasse. “Tens a certeza?”: contrapôs, entristecido, o Planeta Terra. “Sim ! Repara: muito daquilo que nos foi, e que nos continua a ser essencial foi elaborado, pensado, pintado e escrito – e com todas as cores ! – de uma forma muito mais rica e simbólica a partir da Antiga Grécia. Que vontades dali vieram ! Passámos, entretanto, por uma longa fase negra, embora diversa como em todas as épocas, no que respeita a uma interpretação da “existência” e da “realidade”. Felizmente que muito desse significado, mesmo que encontrado em cacos depois de ter sido marcado na pedra, acabou por ser recuperado. O que favoreceu uma  reabertura e, por isto, uma recriação. Desde a época do Renascentismo, com altos e baixos e através de inevitáveis ciclos, não parámos de, em certo sentido, evoluir. Repara, como exemplo, em toda a tecnologia que conseguimos desenvolver e que estamos, presentemente, a produzir. Mas olha, principalmente, para tudo o que se escreveu, ou se pintou, com a passagem dos séculos. Olhemos, também, para a complexidade. Que se teima agora em perder, em reduzir e em recusar. Que percorreu, por exemplo, o fascinante vulcão de ideias, de sementes e de uma verdadeira “inovação” que construiu todo o século XX. Chegamos a um momento em que, nos domínios das artes e da literatura, pouco parece ser ultrapassável. Acrescentamos, quase unicamente, “estatísticas”. Há quem o defenda e quem o advogue: alguns pretendem, através da retórica, acabar com tudo isso. Será necessário? Em nome de quê e em nome de quem? Com tanta liberdade e andamo-nos a castrar. O quê?? É que, neste momento, recomeçamos a simplificar. Escrevendo, como se costuma dizer, por exemplo, para os lados de Inglaterra, com uma forma cada vez mais “limpida e cristalina”. Dizemos “adeus” às metáforas: a tudo o que foi – e que poderia voltar a ser – realmente individual, emocional e profundo. Abraçamos, outra vez, a superfície moral: “as biologias !”; “as neuro- ciências !”. Ao ponto de já existirem alguns robôs a “escrever”, a “decidir”, a “criar” por nós. Existirá algo mais “simples”? Tudo se deseja compreensível: “directo”, “eficaz”, “objectivo”. “Nada que tenha a ver com a natureza humana: fujamos dela !”. E, realmente por tudo isto, a “realidade” torna-se menos explicável. Estamos, novamente, em terrenos do triunfo da “matemática”, da computação, de um “cérebro” sem corpo. Já tudo foi escrito. E, no entanto, nunca existiu tanta “leitura”, nunca se viram tantos “livros” e nunca houve, a circular, tanta “informação”: “dados”, “factos” e “estatísticas”. Numa ausência de mundo, de plantas carnívoras e adocicadas, de música e planetas interiores. Nada de inteiramente novo se faz. Autores contemporâneos, também em nome do mercado, não querem ser contaminados. Têm “medo” de ler determinadas obras porque as consideram “ultrapassadas” – que, muitas vezes, não o estão: apenas para o necessário espírito do tempo que corre; que quer correr -, “antigas” e “tradicionais”. Esta vontade de velocidade: fugindo de quê? Esquecendo o quê? Deixam de as entender. E suspeito que não desejam voltar a compreender. Seria tudo demasiado…”.”Complexo, Bartleby ? Chegaste a um ponto fundamental”: retorquiu, desiludido, o Planeta Terra com este outrora grande homem que, para ter amigos, se transformou em homensinho. “Tens ficado com um problema de memória. Anuncias por aí que queres “formatar o sistema”. “Fazer a revolução! “. Dizendo, enquanto andas em circulos e de mãos atrás das costas, que já tudo foi escrito. Existe, contudo, um pormenor importante que também tens “esquecido”. “Qual?”: inquiriu, Bartleby, visivelmente  irritado e desafiador. “Repetes e repetes que já tudo foi escrito. Mas, de certa forma, o único grande problema é teres ficado com as costas demasiado pesadas e, por isso, demasiado quebradas. A questão é que existe algo, para lá do “conhecimento”, que é igualmente importante”. Barleby não tinha a certeza se desejava saber a resposta. Talvez as dúvidas e, ao mesmo tempo, tantas certezas lhe dessem algum jeito para, lá no fundo, não resolver problema nenhum. Talvez gostasse de ter ficado com as costas pesadas. Mas, a medo, avançou: “o quê?”. Planeta Terra: ” Corta a corda, Bartleby ! Olha para lá do “conhecimento”. Utiliza a imaginação. Achas que já tudo foi escrito. Contudo: nem tudo foi inscrito !


A Perigosidade da Escrita

red-bull-angela-treat-lyon

Não é raro termos que ter bastante cuidado com aquilo que “resolvemos” escrever. Após e quando o estamos a fazer. Ainda mais do que ler – e, na fase actual, com toda a desinformação que circula velozmente – : precisamos de utilizar, não uma nem duas, mas, pelo menos, três luvas para não nos ferirmos. A escrita pode ser uma seta apontada contra nós mesmos. Principalmente quando temos a “lata” de sermos “poéticos” num mundo que se tornou pretensamente “científico”. Nunca sabemos, com uma palavra, que pedregulho estaremos, inconscientemente – no seu significado infantil e não freudiano -, a tentar levantar. Que mistério estaremos a destruir. Que inflamação estaremos a activar. Há expressões – que parecem ter vontade própria – que são utilizadas para esconder: contra aquela inocência que pretende que todas servem “para comunicar”. A minha experiência mostra-me que, por trás de cada uma – por “mesquinho” que isto possa parecer, interessa, aqui, o pormenor -, pode estar, à espreita, um “monstro” a ofegar. Quem costuma escrever sabe que, para além do prazer de o fazer, existe uma dificuldade, um medo, um “terror”: o que virá a seguir ? É exactamente isso que nos faz, por um momento, parar. Evitar um artigo. Deixar um livro por acabar. Quando há qualquer coisa que começa a espreitar: pomo-nos, rapidamente, a tapar. Evitando, deste modo, aquelas linhas. Julgo que, normalmente, “as piores”. Ou afinal: por serem exactamente as melhores? Um texto, assim como a dor, poderia ser “melhorado” indefinidamente. Contudo: “duas” revisões, por uma questão de cautela, bastam !


%d bloggers like this: