Tag Archives: poesia

Adolfo Luxúria Canibal foi ao baú e tecelou-nos este livro

350x


“Human, All To Human”: Um Imperdível Documentário Legendado Sobre Nietzsche (Parte 3)


“Human, All too Human”: Um Imperdível Documentário Legendado Sobre Nietzsche (Parte 1)


A Máquina de Escrever de Nietzsche

malling-hansen-writing-ball-2271ie02-12-12-16


Rebelião

Nestes tempos de populistas, de partidos de extrema direita a subirem nas sondagens: podemos sempre contar com escritores e com todo o género de artistas. É debaixo da opressão – e contra a submissão – que surgem as melhores obras e as melhores ideias. Prosadores, poetas, músicos, cineastas, actores: elevai-vos, pois.


No Fim Era o Frio (último álbum dos Mão Morta para ouvir na integra)


A Perigosidade da Escrita

red-bull-angela-treat-lyon

Não é raro termos que ter bastante cuidado com aquilo que “resolvemos” escrever. Após e quando o estamos a fazer. Ainda mais do que ler – e, na fase actual, com toda a desinformação que circula velozmente – : precisamos de utilizar, não uma nem duas, mas, pelo menos, três luvas para não nos ferirmos. A escrita pode ser uma seta apontada contra nós mesmos. Principalmente quando temos a “lata” de sermos “poéticos” num mundo que se tornou pretensamente “científico”. Nunca sabemos, com uma palavra, que pedregulho estaremos, inconscientemente – no seu significado infantil e não freudiano -, a tentar levantar. Que mistério estaremos a destruir. Que inflamação estaremos a activar. Há expressões – que parecem ter vontade própria – que são utilizadas para esconder: contra aquela inocência que pretende que todas servem “para comunicar”. A minha experiência mostra-me que, por trás de cada uma – por “mesquinho” que isto possa parecer, interessa, aqui, o pormenor -, pode estar, à espreita, um “monstro” a ofegar. Quem costuma escrever sabe que, para além do prazer de o fazer, existe uma dificuldade, um medo, um “terror”: o que virá a seguir ? É exactamente isso que nos faz, por um momento, parar. Evitar um artigo. Deixar um livro por acabar. Quando há qualquer coisa que começa a espreitar: pomo-nos, rapidamente, a tapar. Evitando, deste modo, aquelas linhas. Julgo que, normalmente, “as piores”. Ou afinal: por serem exactamente as melhores? Um texto, assim como a dor, poderia ser “melhorado” indefinidamente. Contudo: “duas” revisões, por uma questão de cautela, bastam !


%d bloggers like this: